Este diário online conta um pouco sobre cada um de nós corredores

encruzilhada

Olá pessoal!

A vida nos leva por caminhos que as vezes não temos como escapar. Podemos enfrentar caminhos fáceis e também tortuosos, mas o que vale é a passagem e não a estrada.

Eu comecei a correr em 2010 e desde então escrevi aqui neste blog quase que diariamente contando meus treinos, provas e compartilhando o que estava descobrindo deste maravilhoso mundo das corridas.

Em 2015 após várias provas de corrida de rua, trilhas e triatlo eu fechei um ciclo com o Ironman Florianópolis 2015 e desde então me desliguei das corridas, não por motivo de saúde, mas sim, por motivos da vida e também quando tudo se tornou um tanto chato. Os treinos deixaram de ser divertidos e viraram obrigação me na seguinte encruzilhada:

Dar um tempo ou seguir. Fiz uma tentativa no primeiro semestre de 2016, mas acabei desistindo.

Deixo esse blog em stand by até me sentir feliz novamente com as corridas, talvez deva reler os posts, pois certamente me darão vontade de retomar.

Fiquem a vontade, tem muita história engraçada, muito treino pesado e muita prova legal. Além da infinidade de pessoas que conheci virtualmente e pessoalmente correndo por aí.

Este diário online conta um pouco da estória de cada um de nós corredores, do que está iniciando nos primeiro metros ao ultramaratonista.

Forte abraço e até breve!

Diego Bandeira.

Planilha em dia

Captura de Tela 2016-02-22 às 21.02.11

Há tempos que não ficava com a planilha em dia, fiquei até emocionado de fazer todos os treinos sem matar nenhum, mesmo com a dificuldade que foi para deixar tudo em dia.

Nem é tanto volume, mas o importante é a volta a rotina, do sair para correr mesmo sem vontade, na garoa, no calor, parando, andando e correndo.

Sábado passado eu estava super cansado e deixei para treinar no final da tarde. Acho que foi o dia mais quente do verão, muito abafado e úmido.

Eu corri 5k e não aguentei, me sentei na rua e fiquei um 5 minutos pensando se voltava para casa ou se continuava. Resolvi continuar, corri mais 2,5km e parei de novamente, estava muito quente, mesmo sem sol, só um nublado de final de tarde.

Decidi que iria correr até fechar 10k, então acabei fazendo o treino completo, 15k de longão.

Segue a planilha e vamos em frente.

Correr para crer.

 

1 minuto eterno 1 minuto na velocidade da luz

luz

Semana passada fiz todos os treinos da planilha e estou entrando nos eixos. Já dei uma secada (-2kg), as pernas já não estão tão pesadas e a FC está baixando. Resultado de treino, não tem receita mágica.

Do início do ano até agora já corri mais do que todo o segundo semestre do ano passado. Foi um passado de cada vez, primeiro precisei colocar a cabeça no lugar e agora o corpo está se acostumando a rotina de treinos.

Na semana passada além da rodagem e do longo, fiz o primeiro treino intervalado da planilha.  Fiz 4k de aquecimento + 3 x 5 x 200m com 1’de intervalo + 1k entre as séries.

Hoje, quarta-feira de cinzas novamente encarei um treino de tiro. Hoje foram 4k de aquecimento (bem melhor que na semana passada) + 5 x 200m com 1’de intervalo + 6 x 400m com 2’de intervalo e 1k de desaquecimento.

Cada minuto de corrida era uma eternidade e cada minuto de intervalo passava na velocidade da luz.

Correr para crer.

Algum tempo depois…

img_1255

Já nem lembrava mais como era fazer uma prova apenas de corrida, acho que a última foi em setembro/2014, uma meia maratona se não me engano.

Logo que voltei aos treinos me inscrevi na Night Run Costão do Santinho, percurso de 10k, variando entre praia e dunas a noite.

Fui na primeira edição dessa prova em 2012 e 4 anos depois voltei.

O dia foi bastante quente e no final da tarde o tempo fechou e por voltas 19h caiu uma tempestade. A largada era as 21h.

Sai de casa no meio da chuvarada. Ruas alagadas, gente voltando da praia, gente indo para a corrida e o trânsito que já é ruim ficou pior.

A prova estava bem organizada, no kit além da camiseta, número e chip também continua uma lanterna. Útil para enxergar na penumbra os buracos e a trilha.

Em virtude da chuva, do vento e de muitos raios que estavam caindo a prova foi alterada por segurança. Apenas 5k para todo mundo.

Meu treino de 14k foi pro beleléu. Corri 2k de aquecimento e depois 5k na prova.

Foi legal utilizar a lanterna, pois na primeira edição foi na escuridão. O percurso todo muito bem demarcado, embarrado e com areia pesada.

Corri apenas me orientando pela percepção de esforço, uma espécie de fartlek, corrida forte quando dava, diminuía e acelerava.

Durante todo o percurso estava chovendo e quando afunilava nas dunas e trilhas dava para ver aquela fila indiana de luzes. Muito bacana.

No fim das contas fechei os 5k em 25:25″, pace 5:15 e fiquei feliz.

Só de sair de casa naquele temporal já valeu a medalha!!

Correr para crer!

Acelera e reduz

IMG_1229

O trânsito em toda cidade grande ou turística é complicado, você fica num acelera e reduz constante, freia, troca de marcha, acelera, freia…

Ano passado pensando nisso eu troquei de carro por um automático, eliminei o problema de trocar de marcha toda hora e isso já foi de grande ajuda, embora o acelera e freia não tem como evitar.

Na segunda-feira levei mais 1h para vir da praia dos Ingleses até o centro de Floripa onde fica o escritório da “firma”. Centenas de argentinos indo embora e outros tantos chegando, além do tradicional péssimo motorista de Floripa que freia nas subidas ou reduz para ver um carro parado no acostamento.

Essa introdução foi apenas para comparar com o treino fartlek que fiz hoje. Acho que há mais de ano não fazia um, pois 2015 com os treinos do Ironman focados em volume eu não lembro de ter feito nenhum deste tipo.

Hoje o clima na ilha estava agradável, nublado, mas com um vento sul fortíssimo, e o vento “suli” é inimigo da corrida.

O treino era de 10k, 4k de aquecimento e 6k de fartlek, sendo 400m forte e 600m fraco recuperando.

Foi uma boa lembrança, pois consegui correr 400m em algumas vezes com pace de 4:40, mas em compensação depois nos 600m quase caminhava de tão cansado. A sensação ao final do treino foi ótima, pois venci a primeira batalha que foi sair de casa e depois a conclusão do treino.

Aos poucos estou voltando e reencontrando o prazer da corrida. É óbvio que o prazer maior é após correr…

Segunda-feira fiz 8k de leve para iniciar a semana e sábado tenho 14k de longo. Irei correr 10k na Night Run Costão do Santinho e + 4k de aquecimento antes da prova para fechar o longo e assim  vamos em frente.

Correr para crer.

Homem das cavernas

  

Hoje senti​ uma fraqueza absurda no treino de corrida. Havia percorrido apenas 3k e não aguentava mais, a cabeça estava boa, mas o corpo novamente não respondia.

Avaliando o que estava acontecendo me lembrei que havia retomado a dieta paleo/lowcarb e essa fraqueza fazia parte da cetoadaptção, período que compreende as 4 semanas iniciais.Eu havia deixado de lado a alimentação paleo/lowcarb após o Ironman 2015, quando me rebelei com os treinos, com a rotina e o estresse. Tudo comecei uma semana antes da prova, onde fiz uma super compensação de carbo, comendo tudo que não comia desde final de 2012 quando comecei a “comer limpo”.
Em 2012 eu não havia sentido esse cansasso pois eu estava muito bem treinado fisicamente, dessa forma, provavelmente eu passei ileso por essa fase. Agora está sendo diferente, pois estava totalmente parado.
No final de 2012 quando iniciei eu estava pesando 74kg e em junho de 2013 já havia chego perto dos 70kg, em dezembro havia estava pesando 67kg com 9% de percentual de gordura e estava voando.
Meus melhores tempos de corrida, meia maratona 1h36′, 10k 42′ foram resultado dessa época de treinos e alimentação adequados.
Fiz 2 meio Ironman com essa alimentação e com baixo consumo de carboidrato durante a prova. Na bike u comi batata doce assada, castanhas e mariola. Consumi  2 géis na corrida de cada uma das provas. O resto da alimentação foi natural.
No Iron, como eu estava sem treinar direito devido o nascimento da minha filha e sem fazer os longos de pedal eu resolvi mudar a estratégia para aguentar o tranco, e eu me embaldei nas besteiras e também durante a prova.
Em 2016 eu retomei com foco e determinação. Mas nesse início o bicho tá pegando. 
Mais um treino feito e vamos em frente!
Correr para crer.

Apertando os parafusos

tempos modernos
Tempos Modernos

Ainda estou apertando os parafusos para voltar aos treinos. Na semana passada fiz todo o planejamento, 3 treinos de corrida, segunda 8k, quarta 8k e 10k de longo no sábado.

A cabeça está entrando nos eixos, mas o corpo ainda não despertou. Está difícil correr, as pernas ainda travadas e pesadas e quando eu acho que estou super rápido o relógio me trás para a realidade, quando vejo estou correndo a 6:15″.

Voltei ao ano de 2011 quando iniciei o blog e o treino de corridas. Estou revisitando o passado e acho que até vou ler um posts antigos para dar umas risadas e comparar com agora.

Hoje eu acordei, não pensei muito, me arrumei e corri os 8k do dia. Fiz sem pensar e sem reclamar nenhuma vez. Me senti bem, acho que este parafuso já está apertado.

Correr para crer.