CORRENDO POR AÍ

Deus salve a rainha?


Quem inventou essa frase? “God save the Queem”

Tem origem na saudação feita ao rei, em todas as cerimônias oficiais do Reino Unido. A expressão original é “God Save The King” e vem da Idade Média. Também é o nome oficial do hino da Inglaterra. Só é adaptada para “God Save The Queen”, quando uma rainha ocupa o trono.

Neste final de semana participei da minha primeira prova de triathlon, estreando na modalidade em uma prova de sprint (750m natação, 20k de pedal e 5k de corrida). A Prova foi em Balneário Camboriú, o GP Triathlon Winter.

Durante toda a semana passada os dias foram de sol e de calor de 30 graus em pleno inverno, mas a previsão anunciou chuva para sábado e a chegada de uma frente fria que faria a temperatura despencar, fazendo todo mundo virar picolé. Sábado choveu durante todo o dia, garoa fina e o frio chegou mesmo. Durante a noite estava 12 graus e a previsão para domingo era de sol, mas com temperaturas entre 10 e 16 graus.

Choveu a madrugada inteira e eu sei porque fiquei acordado até as 2:30 para assistir a luta do Anderson Silva x Sonnen. Assisti pela internet no hotel e depois assisti na Globo a luta “requentada” escutando o mala do Galvão falar que a luta era ao vivo, mas o Spider já havia dado um laço no Sonnen.

Contrariando a regra dormi 3 horas na noite anterior a prova e acordei super empolgado com o que me esperava, principalmente pelo frio congelador que estava as 6hs da manhã. Deixei tudo pronto na noite anterior, bike, roupa de borracha, sapatilha, capacete, óculos, tênis e outras tralhas que iria precisar.

O checkin da bike foi das 7 às 7:50 e a galera se preparava para a largada às 8h. O sol estava presente anunciando um dia lindo, mas frio. Tudo pronto, agora era só esperar, encarar a água gelada e principalmente a subida da rainha. Fui me aquecer na praia antes da largada e a areia já estava congelando e a água mais ainda.

Toca a buzina e todo mundo se lança ao mar que estava calma, fui bem na natação, não levei nenhum chute, cotovelada e ainda consegui pegar a esteira dos nadadores que estavam na minha frente. Parece MMA, mas é natação de triathlon mesmo!

Terminei a primeira etapa e fui para a *T1 torcendo para não errar nada, não esquecer do óculos, de colocar o capacete e ser penalizado e calçar a sapatilha em movimento. Deu tudo certo e parti para o pedal que seria sinistro com duas voltas de 10k subindo um morro com duas elevações e 4,6% de inclinação.

Muitos não conseguiram subir e foram empurrando a bike, mas eu subiria pedalando nem que passasse o dia todo tentando e me liguei no ciclista que estava na minha frente subindo em zigue e zague e dai ficou mais fácil. Pior que subir 1 vez era subir duas vezes e até achei que na segunda volta eu iria ter que empurrar a bike, mas foi ao contrario, subi muito melhor do que na primeira volta.

Na segunda volta do pedal olhei no termômetro na rua e vi 10 graus marcando, foi quando entendi porque não sentia mais meus pés, eles estava totalmente congelando desde a largada na natação, eles estavam “mortos”.

Quando cheguei para a **T2 e desci da bike não parecia que estava pisando em uma esponja, meus pés estavam totalmente sem circulação e correr se tornou uma tarefa muito difícil, pois não sentia nada. Só fui sentir meu pé direito quando estava fechando a terceira volta de corrida e terminando os 5,3k. O pé esquerdo só fui sentir depois de me sentar no sol.

Curti muito minha estréia no mundo do triathlon, a vibe é contagiante, a adrenalina é multiplicada por 3, a prova estava perfeita de organização e tudo correu conforme o planejado tirando o congelamento dos pés.

Agora já posso dizer que sou triathleta, amador e pangaré, mais um TRI no mundo do nadapedalacorre fechando esse sprint com 1h38’37”.

Agora já posso dizer: “Deus salve a subida da rainha” que encarei por duas vezes…

* T1= Transição natação/pedal

**T2= Transição pedal/corrida

Anúncios

19 comentários em “Deus salve a rainha?

  1. Pingback: Meta «
    1. Valeu Michel, fui bem na natação, o pedal foi muito duro e a corrida com o pé congelado foi complicado. Mas vamos para as próximas…a primeira era para conhecer como funciona, pois é muito diferente de uma prova de corrida!
      Abraço e valeu pela ajuda no polimento.

      Curtir

  2. Show de bola Diego, parabéns!
    Não é pra qualquer um, ainda mais com essa temperatura congelante.
    Lendo teu blog fico mais na pilha de ir pro triathlon.
    Vou só me organizar e ver ser apareço no teu treino ali pra dar uma conversada. por enquanto meus horários ainda não bateram, mês que vem tiro uns dias de férias dai fica mais fácil, mas se der apareço antes.
    abraço.

    Curtir

  3. hahahaha, faço das suas as minha palavras…
    nauseas pós natação, pés congelados, subidas desafiadoras, frio e muito sol…

    Não poderia estreiar melhor!

    Parabéns

    Curtir

    1. Oi Priscila!
      Nossa as subidas foram sinistras, não imaginava que seria assim..rsrs haviam me falado, mas foi bem pior hehehe.
      Valeu, agora já sei como funciona uma prova de triathlon, vamos para as próximas!
      Abraço, Diego

      Curtir

  4. Parabéns Diego!!! Com certeza o primeiro de muitos!!! Um dia ainda vou ler um relato do Ironman aqui nesse blog..hehehe…estou torcendo pra isso!!

    Abração
    Guilherme

    Curtir

Obrigado pela visita e participem comentando no blog!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s